Seja bem-vindo, visitante

Olá, Visitante. Chegou aqui, vindo sei lá de onde, quiçá cansado de tantas caminhadas e descaminhos. Pois bem, sente-se, relaxe e leia algumas destas coisinhas, vai ver que fica melhor... Um abraço da Felipa

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Poema de São João da Cruz


Vivo sem viver em mim
De tal maneira a sofrer
Que morro por não morrer.

1.Em mim eu não vivo já
Sem Deus não posso viver
Sem Ele e sem mim, a ver
Este viver que será?
Mil mortes se me fará
Se minha própria vida houver
De morrer por não morrer.

2. Esta vida que eu vivo
É privação de viver
E um contínuo morrer
Até que viva con'Tigo;
Ouve, Deus, o que Te digo:
A vida não quero ter
E morro por não morrer.

3. Estando ausente de Ti
Que vida posso eu ter
Senão morte padecer
A maior que jamais vi?
E pena tenho de mim
De esta sina padecer
De morrer por não morrer.

4. O peixe que da água sai
De alívio não carece
Que na morte que padece
Ao fim a morte lhe vale;
Que morte há que se iguale
Ao meu penoso viver
Que vou vivendo a morrer?

5. Quando penso aliviar
Ao ver-Te no Sacramento
Faz-me maior sentimento
O não Te poder gozar;
Tudo para mais penar
Do desejo de Te ver
E morro por não morrer.

6. E se me alegro, Senhor
Com a esp’rança de Te ver,
Com medo de Te perder
Se duplica a minha dor;
Vivendo com tal pavor
E numa ânsia tal viver
Que morro por não morrer.

7. Liberta-me desta morte
Meu Deus, e dá-me a vida
Não a tenha impedida
Por este laço tão forte;
Tanto peno desta sorte
E este mal me faz sofrer
Que morro por não morrer.

8. Chorarei a morte já
E lamentarei a vida
Por sabê-la tão cativa
Que pelo pecado está;
Ó meu Deus, quando será,
Quando poderei dizer
Que vivo por não morrer?

São João da Cruz

(Tradução - Felipa Monteverde)

4 comentários:

Maria Luiza disse...

Felipa, eu tbém adoro comentários, mas este de cá está um bocadito difícil. São joão da Cruz é um snto extraordinário. Tal era seu amor a Deus que sua ânsia era a morte. Só a morte o tornaria face a face com Deus. Eu entendo assim, mas eu não curto a morte. Prefiro a vida em todo o seu esplendor. Beijão!

Felipa disse...

Obrigada pelo comentário, Maria Luiza, sei que é um tema dificil. Conheci S. João da Cruz há pouco tempo e gostei muito da sua poesia, embora nem toda esteja traduzida. Este poema foi traduzido por mim, espero não ter fugido ao original pois privilegiei as rimas, que acho importantes em certo tipo de poemas, principalmente nos medievais.
Beijinho

Miguel Afonso disse...

São João da Cruz é santo
E sabia o que dizia;
Ora bem, e se entretanto
Chegasse da morte o dia
São João que sentiria?

Extase, alívio, alegria?...

Anónimo disse...

s joão ansei pela morte não por não gostar dela mais por ela o afastar de Deus é vida é nada mais que uma prisão onde a alma está cativa longe do mais belo ser que é Deus.
Ele de tal modo tentar aproximar Deus dele, viver uma eterna angustia de não poder ter consigo Deus seu amado embora Ele esteja no sacramento do altar ainda sim não o satisfas por que ele não pode ver a realeza de Cristo não pôde satisfazer seus sentidos. ele ansei em ver Deus pessoalmente no fim a morte é um alivio para a alma que sofre a angustia de esta lohge de seu amado